Comece seus projetos com um conceito

Como parar de projetar no piloto automático.

Os melhores designers que conheço sempre iniciam um projeto com um conceito (ou modelo conceitual). Qual é o seu conceito de design para este projeto? Como você imagina as pessoas interagindo com o seu produto? Qual modelo você está tentando emular na sua interface do usuário?

Um modelo conceitual é uma representação de um sistema, feito da composição de conceitos que são usados ​​para ajudar as pessoas a conhecer, compreender ou simular um assunto que o modelo representa

Mas outros designers vão direto para a criação da interface, antes de definir uma visão sólida sobre o modelo conceitual desse sistema.

O resultado?

Interfaces concebidas e desenhadas no piloto automático – padrões de interação que não estão estrategicamente alinhados, caminhos do usuário que não seguem uma lógica clara, telas inconsistentes e que não seguem uma metáfora ou conceito consolidado.

Definir um conceito antecipadamente pode ajudar a moldar tudo o que se segue: as interações, a relação entre elementos, o tom de voz e cópia, as transições, as animações, etc. Uma vez que você tenha um conceito forte, todos esses aspectos começam a se alinhar.

Mas os modelos conceituais são abstratos.

Pode ser difícil para os designers se acostumarem a pensar dessa maneira.

Aqui estão alguns exemplos:

  • Modelo de cartas do Tinder. O usuário tem um baralho de cartas nas mãos e começa a dividir as cartas em dois outros grupos: os escolhidos e os descartados. Ótimo, esse é o conceito. Isso informa os visuais (cartões digitais que realmente se parecem com cartões), as interações (deslizar para a esquerda significa “descartar”, deslizar para a direita significa “escolher”), as transições da interface do usuário e assim por diante.
  • Modelo do planeta do Google Earth. Nada mais óbvio se você estiver tentando navegar pela Terra do que permitir que os usuários “brinquem de deus” e girem o planeta em todas as direções. Isso afeta o visual (o planeta está flutuando em um fundo escuro quando você carrega o aplicativo pela primeira vez), as interações (arrastando e soltando o mapa irá reposicioná-lo na tela), as transições (quando você “libera” o planeta, continua girar um pouco, emulando um globo físico) e assim por diante. Este conceito também teve efeitos de ondulação no Google Maps para celular e web.

Há uma chance de que algumas das interfaces mais memoráveis ​​com que você jogou lembrem de outro modelo de interação que você usou na vida real.

Mas modelos conceituais podem deixar os interessados ​​ansiosos, porque eles não são necessariamente interfaces. Eles exigem tempo e pensamento, mas não necessariamente se parecem com a interface com a qual as pessoas irão interagir (às vezes, elas parecem um diagrama, ou como caixas e setas, ou apenas alguns parágrafos de texto).

Ainda assim, eles são importantes.

Os produtos que começam com um modelo conceitual têm maiores chances de permanecer consistentes à medida que evoluem e à medida que novos recursos são adicionados. Os conceitos criativos atuam como uma estrela norte para alinhar todos na equipe em relação a como o produto deve evoluir.

Ter um conceito criativo não significa que o produto tenha sempre a mesma aparência. Muito pelo contrário. É interessante ver como certos produtos evoluem, as tendências de design visual vêm e vão, as funcionalidades se expandem – e, ainda assim, o modelo conceitual pode permanecer consistente ao longo do tempo.

Assim…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *